nans @ 00:42

Ter, 02/10/12

Já disse o quanto adoro os livros da J.R. Ward? Sim? Então volto a confirmar ... adoro simplesmente os livros desta senhora. 
Fico tão absorvida no livro que é-me práticamente impossível para e se tal acontece, a única coisa que consigo assimilar é quando terei tempo para voltar a ler. E acho que depois de ler o Guia da saga isso tornou-se ainda mais mandatório. 
Vamos então falar do livro em sim, okay?
Nunca pensei que fosse gostar de um livro onde o Butch é o "Irmão" principal e fiquei deveras surpreendida com a personagem e o livro conforme ia avançando na leitura. Por outro lado não consegui apreciar a personagem Marissa. Não sei se foi propositado, mas acho que é quase impossível criar uma ligação com ela de tão desinteressate e inocente que chega a ser. 
Marissa é a típica menina da alta sociedade que sempre teve tudo e de repente se vê sem nada. Inocente e sempre pronta a sacrificar-se pelos outros, é expulsa de casa pelo irmão quando ele descobre que a irmã está apaixonada por um humano. Claro que ela recorre á mansão da Irmandade quando é expulsa de casa, perde a virgindade com o Butch, separam-se, voltam a juntar-se, voltam a seprarar-se e finalmente casam-se. 
Okay, eu gostei da história, mas durante todo o processo a personagem Marissa mostra tal apatia que uma pessoa pergunta-se, hipotéticamente, se tal personagem poderia ser uma pessoa real. Okay, poderia, mas seria uma pessoa tão desinteressante que nem com dois safanões ela acordava para a vida. 
E o Butch ... bem, o Butch surpreendeu e pela positiva. Quem leu os outros livros deve de ter reparado que o homem de romantico não tem (quase) nada, mas conforme a história vai avançando vamos perdendo essa sensação e aprendendo a gostar do homem. 
Uma coisa que adoro nos livros da J.R. Ward é a maneira como ela mistura a história de personagens secundárias com as das personagens principais de cada livro, mas desta vez acho que ela exagerou na dose. Temos muito mais acesso á vida do Vishous e do John, dos sentimentos deles, do que própriamente da personagem masculina principal, Butch. 
Hey, eu não me posso queixar, adoro o Vishous e estou maid do que ansiosa pelo livro dele, mas também tenho plena consciência que no livro dos outros não se deve de intrometer e no fundo é que aquelas duas personagens estão a fazer; a tirar protagonismo das personagens principais. 
Ficamos tão curiosos com a maldição do Vishous que nem queremos saber se o Butch e a Marissa vão reatar a ligação ou não. 
E depois temos a escrita descontraida e simples. Mordaz e divertida ... confesso que ainda consegui dar umas valentes gargalhadas.
E claro, é sempre bom rever os "Irmãos". Confesso que ainda me riu com as piadas do Rhage e fico toda derretida com a ternura do Zsadist.
E agora venha o livro do meu "Irmão" preferido mas é.


Sinopse;
Nas sombras da noite da cidade de Caldwell, em Nova Iorque, trava-se uma guerra territorial entre os vampiros e seus caçadores. Ali, existe um bando secreto de irmãos sem igual — seis guerreiros vampiros, defensores da sua raça. Mas agora um aliado da Irmandade está prestes a enfrentar os seus próprios desejos obscuros…
Butch O’Neal é um guerreiro por natureza. Um ex-polícia da brigada de homicídios que leva uma vida dura, é o único humano a quem foi permitido aceder ao círculo íntimo da Irmandade da Adaga Negra. E quer submergir-se ainda mais profundamente no mundo dos vampiros… quer alistar-se na guerra territorial contra os minguantes. Não tem nada a perder. O seu coração pertence a uma fêmea vampira, uma beldade aristocrática que está muito acima do seu nível. Se não pode ter Marissa, então ao menos pode lutar lado a lado com os irmãos… 
O destino amaldiçoa-o outorgando-lhe o que deseja. Quando Butch se sacrifica para salvar dos assassinos um vampiro da população civil, torna-se presa da mais escura força da guerra. Moribundo, é encontrado graças a um milagre, e a Irmandade pede a Marissa que tente trazê-lo de volta. Mas talvez nem sequer o seu amor seja suficiente para salvá-lo…