nans @ 00:45

Ter, 02/10/12

Depois de ter lido um livro que até nem desgostei, desta saga, até que estava com a pedalada toda para ler o próximo, mas nem sempre tudo corre como planeamos e rápidamente a minha vontade foi por água abaixo porque Sangue Mortífero consegue ser mais um livro desinteressante, algo a que a saga já habituou depois dos três primeiros volumes.
Sookie, Sookie, Sookie, Sookie ... tudo gira á volta da Sookie. Sookie, a eterna vitima. Sookie, a arrasa corações. Sookie, o mártir. Depois ainda há quem se admire que eu não simpatize com a personagem. Este planeta tem biliões de pessoas, mas existe apenas uma a quem tudo e mais alguma coisa acontece ... e para quem não sabe, essa pessoa é a senhora Sookie.
Só a Sookie é raptada por seres sobrenaturais, só a Sookie é maltratada por seres sobrenaturais, só a Sookie se dá bem com todos os seres sobrenaturais, só a Sookie sabe a verdade sobre a sociedade sobrenatural (no mundo de True Blood). Irrita, porque o livro acaba por se tornar tão egocentrico que mesmo que uma pessoa queira é impossivel gostar da personagem.
E depois temos a eterna sina das personagens com quem simpatizo; a morte. Juro que não entendi aquelas mortes. Matar a Claudine não afectou nada da história e matar o Tray muito menos.
Tenho uma ideia ... porque não matar a Sookie, assim podiam dar espaço para personagens bem mais interessantes terem destaque.
É que nem o mistério de quem matou e crucificou a Crytal consegue ser apelativo. Não há aquela ânsia de saber quem é o culpado ou porque é que o fez. Nada de nada. 
E básicamente este livro resume-se numa palavra; Sookie. É que nem tenho muito por onde falar dele, porque é mesmo isso, mais um monólogo enfadonho da Sookie.

Sinopse;
Com a excepção de Sookie Stackhouse, os habitantes de Bon Temps, no Louisiana, pouco sabiam sobre vampiros e nada sobre lobisomens. Até agora. Lobisomens e metamorfos revelaram finalmente a sua existência ao mundo e isso poderá ter custado a vida a alguém que Sookie conhecia. Mas a sua determinação para descobrir o responsável pelo homicídio é posta de parte perante um perigo muito maior. Uma raça de seres sobrenaturais (mais velhos, poderosos e muito mais misteriosos do que os vampiros ou os lobisomens) prepara-se para a guerra. E Sookie, enredada ainda na teia de antigos amores, ver-se-á como peão demasiado humano nesta batalha.